Horta Comunitária/Periferia Feminista do Morro da Cruz recebe Prêmio Periferia Viva

Horta Comunitária/Periferia Feminista do Morro da Cruz recebe Prêmio Periferia Viva

Em 2021, durante a pandemia e consequentemente o agravamento da insegurança alimentar, em um espaço verde de 80m², em meio à periferia de Porto Alegre, no Morro da Cruz, nasceu uma horta comunitária. Espaço que uniu as pautas feminista, ecológica e da alimentação saudável.

Oriunda do projeto chamado “Aliança Feminismo Popular para Fortalecimento dos Territórios através da Recuperação Justa baseada na Justiça pós Covid-19”, a horta recebeu o Prêmio Periferia Viva, em 13 de dezembro deste ano, na Universidade de Brasília (UnB).

Conforme explicam Any Moraes e Cintia Barenho, da Marcha Mundial de Mulheres e do Ponto Popular de Alimentação e Agroecologia/Horta Comunitária Morro da Cruz/Periferia Feminista, a ideia da horta surgiu no período da pandemia, em julho de 2021. O que impulsionou foi o agravamento da insegurança alimentar que impactava principalmente mulheres negras em situação de vulnerabilidade, o que escancarou a feminização da pobreza.

“Elas enfrentaram maior vulnerabilidade e empobrecimento devido ao desemprego, ao retorno forçado para casa, à responsabilidade de cuidar dos filhos e ao isolamento”, explica Any.

Foi nesse contexto que a Marcha Mundial das Mulheres, Amigas da Terra Brasil e Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) uniram esforços para criar a Aliança Feminismo Popular, inicialmente concentrada na distribuição de cestas básicas para atender a urgência da fome. 

“Durante esses momentos de solidariedade, identificamos um espaço negligenciado, utilizado como estacionamento com acúmulo de lixo e esgoto a céu aberto. Motivadas pela necessidade de transformação, cercamos o local com paletes e iniciamos o plantio de alimentos, sem veneno, em canteiros suspensos, transformando-o em uma horta comunitária”, conta Cintia. 

A partir disso, buscaram captar recursos para o andamento das ações de solidariedade e foram contemplados com o projeto chamado “Aliança Feminismo Popular para Fortalecimento dos Territórios através da Recuperação Justa baseada na Justiça pós Covid-19”. 

“Contamos com recursos do Global Greengrants Fund, além de recursos da Fundação Luterana de Diaconia. Esses recursos visavam a criação de hortas comunitárias em colaboração com a população local. Foram planejadas atividades de formação, com debates e discussões sobre soberania alimentar, violência contra mulheres, dignidade menstrual, economia feminista. E como as transnacionais impactam na vida das pessoas, destacando a luta das mulheres e reforçando a defesa de seus territórios, compreendidos como seus corpos, locais de residência, trabalho, lutas e construção de suas histórias’, expõe Any.

Importância da horta

Ao falar da importância da horta para a comunidade local, elas resgatam a mobilização e a participação das mulheres em reuniões da associação de moradores para viabilizar a presença do grupo na feira. “Elas venderam sabões ecológicos produzidos com óleo reciclado e sal temperado originados das oficinas realizadas na horta.”

Também chamam a atenção para a dificuldade enfrentada pela comunidade com a falta de água naquele ano. “A ceia de Natal de 2021 foi uma das últimas refeições preparadas sem preocupação com a água, já que muitas famílias que participam da horta ficaram mais de 60 dias sem água na torneira durante o verão, dependendo de caminhão-pipa, levando a uma forte mobilização popular no Morro da Cruz pela luta pelo acesso à água”, recorda Any.

“Apesar das promessas da prefeitura na época, que amenizaram o problema, o Morro da Cruz, assim como outras comunidades de Porto Alegre, enfrentam novamente a escassez de água e eletricidade em 2023, levantando a questão do que devemos esperar para este verão”, complementa Cintia.


Como muitas periferias de Porto Alegre, o Morro da Cruz sofre com a falta de água / Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com elas, as famílias também enfrentaram as consequências do ciclone em Porto Alegre, recebendo apenas notificações sobre morar em áreas de risco, sem nenhum plano de ação correspondente.

“Organizamos então, uma associação de pessoas atingidas pelas mudanças climáticas – AMAC, para cobrar medidas efetivas do poder público. A partir da grande repercussão sobre a falta de água, fomos procuradas pela Cáritas Regional, que tem um projeto de cisternas de placas e estamos em processo de planejamento para construção em uma das escolas municipais. Portanto, a horta tornou-se um espaço não apenas para o plantio, mas também para a troca de vivências, engajamento e mobilização comunitária”, destaca Cintia. 

Atualmente a horta tem 50 famílias envolvidas que se revezam entre plantio, rega, manutenção e construção. 

Além do impacto local gerado pela organização liderada pelas mulheres que estão envolvidas, surgiram outras iniciativas, como convites para o produção de hortas em diferentes áreas do morro, conectando-se em rede com as escolas municipais locais.

“Esse processo cultivou um senso de pertencimento e valorização da ação coletiva, promovendo transformações em várias direções. As mulheres discutiram a possibilidade de mobilização com base em necessidades urgentes, estimulando reflexões sobre o acesso aos direitos fundamentais e à dignidade humana”, afirma Any.


“Esse processo cultivou um senso de pertencimento e valorização da ação coletiva, promovendo transformações em várias direções” / Foto: Arquivo Pessoal

Parcerias 

A participação ativa das mulheres em diversos eventos, como o Fórum Social Mundial e a conferência do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do Rio Grande do Sul (Consea-RS), estabeleceu conexões valiosas com coletivos, ONGs e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs).

Segundo Any, a Ufrgs tem desempenhado um papel essencial, proporcionando suporte técnico por meio de oficinas de plantio. No semestre passado houve a inclusão de uma atividade de extensão na disciplina de Irrigação e Drenagem que resultou no desenvolvimento de um projeto de irrigação para a horta comunitária, envolvendo alunos, professores, servidores e voluntárias.

A apresentação dos projetos em um evento na Faculdade de Agronomia abriu oportunidades para as mulheres e seus filhos estarem no ambiente universitário, inspirando futuras possibilidades de estudo. Esse projeto resultou também na apresentação de trabalho no 41º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul (SEURS). 

O Instituto Koinós demonstrou apoio ao projeto, comprometendo-se a financiar equipamentos para irrigação. O foco agora é na graduação para o plantio de mudas, visando à comercialização em feiras. A parceria também inclui o financiamento da construção da cozinha solidária, em colaboração com a ONG Plantas Sonhos.

“Através de um edital dos Pontos Populares de Alimentação, obtivemos recursos para equipar a cozinha, adquirindo panelas, utensílios e um fogão industrial. A inauguração está prevista em breve, apesar de alguns atrasos devido às chuvas”, expõe Any.

De acordo com Cintia, para abordar o problema do esgoto a céu aberto, o movimento buscou apoio técnico e financeiro da Amigas da Terra Brasil. “Estamos em processo de construção de uma fossa ecológica, oferecendo formação aos futuros trabalhadores da cozinha solidária e orientações sobre o funcionamento do sistema.”


Any Moraes (esquerda) e Cintia Barenho na entrega do prêmio / Foto: Arquivo Pessoal

Sobre o Prêmio Periferia Viva

Mais de 1,3 mil iniciativas foram inscritas, provenientes de todo o Brasil e geridas pela população periférica. Dentre esses, 66 projetos foram selecionados para recebimento de um prêmio e mentoria. As reuniões iniciarão em janeiro de 2024. 

O prêmio é uma iniciativa da Secretaria Nacional de Periferias do Ministério das Cidades, que busca reconhecer, valorizar e premiar ações lideradas pela população das periferias que contribuem para a redução das desigualdades, a qualificação e a transformação dessas áreas, promovendo participação e inserção social. As iniciativas premiadas abrangem áreas como planejamento urbano, soberania alimentar, saúde, economia solidária, comunicação, inclusão digital, cultura e combate às desigualdades.

Durante o evento, foi apresentado o Mapa das Periferias, que consolidará dados sobre favelas e comunidades urbanas no Brasil, visando embasar políticas públicas para essas regiões. Any e Cintia contam que o grupo envolvido na horta está entusiasmado com o reconhecimento do Ministério das Cidades e com a inclusão do projeto nesse mapa. A versão preliminar do Mapa das Periferias está disponível no site do Ministério das Cidades.

Sobre a Periferia Feminista

Atualmente, o grupo é reconhecido como Periferia Feminista e faz parte da Rede Comunitária da Feira Solidária do Morro da Cruz. Além disso, participa de feiras de economia solidária, integra o Fórum Municipal de Agricultura Urbana e Periurbana de Poa, o Fórum Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável e o GT de Hortas vinculado ao Consea-RS.

A construção de autonomia, soberania alimentar e caminhos que visam ao bem viver comunitário no cotidiano das periferias urbanas é central para o grupo. Isso envolve fortalecer processos organizativos, socioeconômicos e políticos, além de compreender a importância do processo de auto-organização. Essa experiência inseriu as mulheres participantes em espaços de debates e tomadas de decisão, contribuindo para o surgimento de novas formas de mobilização e engajamento social. 

“Mudando as coisas que não podemos aceitar celebramos a transformação impactante na vida das mulheres impulsionada pelo feminismo e pela agroecologia. Na periferia, desfazemos dúvidas, mostrando que é um solo fértil para os sonhos florescerem e se tornarem realidade. Cada passo, cada semente plantada, é um testemunho da força da comunidade e da resiliência das mulheres”, afirma Any. 

“Revitalizar não pode ser sinônimo de gentrificar. É crucial requalificar o território, assegurando que a transformação promova inclusão e não exclua”, pontua Cintia. Para ela, o protagonismo da comunidade é essencial e é “uma afirmação poderosa de identidade e força”.

Fonte: Brasil de Fato